Chevrolet S10 faz 25 anos com 1 milhão de unidades produzidas

Dieggo Lima

A picape passou por diversas evoluções para acompanhar os avanços das necessidades do consumidor

A Chevrolet S10 está completando 25 anos de sucesso no Brasil. A primeira picape média nacional também está comemorando outro importante feito: a produção de 1 milhão de unidades no país.

Atualmente a S10 é oferecida em três opções de carroceria (cabine dupla, cabine simples e chassis cab), cinco níveis de acabamento (LS, Advantage, LT, LTZ e High Country), duas opções de motorização (2.5 Flex e 2.8 Turbo Diesel), assim como duas opções de transmissão (MT6 e AT6) e tração (4×2 e 4×4).

Ao todo são 12 configurações, para atender os mais variados tipos de negócio, seja no campo ou na cidade.

Desde a chegada no país até os dias atuais, a S10 não parou de se transformar. Foram diversas evoluções estruturais, mecânicas, tecnológicas e de aparência. Confira as principais delas, por ano ou modelo:

Legado da S10 começou há 25 anos no Brasil

Derivada do modelo norte-americano, a S10 brasileira chegou em 1995 com design mais aerodinâmico e diversos itens de luxo para atender as preferências do consumidor local com uma proposta que unia conforto, praticidade e valentia.

A primeira picape média produzida no país estreou com um conjunto surpreendente para a época: cabine simples, motor 2.2 EFI de 106 cv, transmissão manual de cinco marchas e opção de freios ABS nas rodas traseiras.

Outra novidade que a S10 trouxe para o segmento foram as variações de carroceria e de motorização. Apenas um ano após o lançamento aproximadamente, surgia a versão cabine estendida, com 37 cm a mais de entre-eixo, suficientes para acomodar dois bancos traseiros, escamoteáveis.

Em relação à mecânica, a Chevrolet introduziu duas novas opções de motorização: o 2.5 Turbo Diesel HST (High Speed Turbo) de 95 cv, que ajudou a elevar a capacidade de carga do veículo para 1 tonelada, e o motor V6 Vortec, de impressionantes 180 cv e injeção eletrônica sequencial centralizada (SCPI).

A família S10 continuava crescendo, para atender um maior universo de consumidores. Em 1997, foi apresentada a S10 cabine dupla com quatro portas – exclusividade do modelo fabricado no Brasil. Nascia também a versão Executive, com acabamento mais refinado e itens exclusivos, como os bancos revestidos em material premium com ajustes elétricos para o do motorista.

No ano seguinte, o motor 2.2 a gasolina ganha injeção eletrônica multiponto sequencial (MPFI) para melhor eficiência energética e desempenho (113 cv). Também foi lançada a primeira série especial da picape, a Champ 98, em homenagem a Copa do Mundo de Futebol da França.

Primeira atualização

Para a linha 1999, a Chevrolet promoveu atualização no design da grade e do para-choque dianteiro da S10, ampliando as entradas de ar para refrigeração do motor e atualizando as luzes auxiliares. Mudanças nas lentes dos faróis e nas rodas ajudaram a deixar o visual ainda mais imponente, enquanto a segurança podia ser incrementada com o sistema de airbag para o condutor e os freios ABS nas quatro rodas, equipamentos então comuns apenas em carros mais sofisticados.

O motor 2.8 Turbo Diesel MWM com três válvulas por cilindro, 132 cv de potência e 34 kgfm de torque marcaria a entrada da S10 no novo milênio e sua ascensão para um patamar superior de desempenho dentro da categoria. A aceleração de 0 a 100 km/h da picape baixou da casa dos 15s para a dos 11s. Evolução semelhante foi registrada também no conforto, com a adoção em toda a linha da nova suspensão traseira com molas parabólicas em substituição às semielípticas.

Outra inovação da S10 foi a transmissão automática, inicialmente disponível para a configuração Executive V6 de cabine dupla. O equipamento acompanhava o controlador de velocidade de cruzeiro. Chamou a atenção tais itens, por serem incomuns até aquele momento em utilitários. 

Geração “Pitbull”

Quem foi ao Salão do Automóvel de São Paulo em outubro de 2000 pode conhecer de perto e em primeira mão a terceira geração da S10, depois apelidada de pitbull, por conta do animal que protagonizava o comercial do veículo na TV. Elementos como grade, faróis, lanternas e para-choque eram mais imponentes, enquanto as linhas do capô e para-lamas, mais retas, refletindo maior robustez.

Painel, quadro de instrumentos, console central, acabamentos de portas e revestimentos dos bancos também foram atualizados, assim como a lista de equipamentos, que adicionava, entre outros itens, o airbag para o carona como opcional. O motor 2.2 a gasolina teve sua cilindrada e potência elevadas, transformando-se num 2.4 de 128 cv.

Para a linha 2002, o motor V6 passou para os 192 cv. Além disso, a comodidade do ar-condicionado também foi incorporada nas configurações de entrada. O garoto-propaganda desta safra foi a série Sertões, comemorativa ao bicampeonato da S10 no Rally dos Sertões.

No ano seguinte mais novidades. A picape da Chevrolet atualizava a lente dos faróis, as rodas de alumínio aro 16, a estrutura dos bancos traseiros da versão cabine dupla, o grafismo do painel e acabamentos do modelo Executive, por exemplo. A versão, sinônimo de sofisticação, transformou-se em objeto de desejo em meio ao recorde de exportações pelo campo. Já os novos amortecedores proporcionavam maior conforto e dirigibilidade.

No fim de 2004, a Chevrolet renomeava as versões da S10: Advantage (entrada), Colina (intermediária) e Tornado (luxo). Apenas a Executive se manteve inalterada.

Depois foi a vez do motor 2.8 Turbo Diesel passar a usar três válvulas por cilindro e injeção direta; o acelerador se tornou eletrônico, e o diferencial, autoblocante.

Pioneirismo com o motor Flexpower

A alteração visual seguinte chegou para marcar o lançamento da linha 2006. Na frente, a grade cresceu e ganhou aletas em formato de cruz. Na lateral, surgiam molduras contornando os para-lamas. Na traseira, chamava a atenção um adesivo na tampa com o letreiro “Chevrolet”, igual ao veículo dos Estados Unidos.

A tecnologia bicombustível crescia em relevância no Brasil e a S10 acompanhou este fenômeno para o modelo 2007. O motor 2.4 FlexPower entregava até 147 cv e fez as vendas dispararem. Assim, no ano seguinte, a picape batia mais um recorde de vendas.

Já na linha 2009, outra surpresa. Desta vez, a atualização visual tinha grade reestilizada, entrada de ar sobre o capô, apliques no para-choque frontal e na tampa traseira, adesivo preto na coluna A, novas lanternas, rack de teto, santo Antônio e estribos, quadro de instrumento com fundo azul além de padronagens inéditas para os bancos. Outra significante alteração foi a adoção da gravata Chevrolet na cor dourada, que passaria a ser a nova identidade global da marca.

Em 2010 foi lançada mais uma edição da S10 Rodeio, mas agora como uma versão regular e que duraria até o fim desta geração, em janeiro de 2012. GPS e sensor de estacionamento eram alguns dos novos acessórios. Naquele ano, o modelo da Chevrolet alcançava a marca de 500 mil unidades produzidas, em sintonia com o crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) do agronegócio.

As expectativas sobre o design da próxima geração da S10 aumentaram após a exibição de um protótipo no Salão de Buenos Aires, em 2011. A picape-conceito de aspecto futurista era maior e mesclava robustez de um veículo de expedição com o refinamento de um SUV. Foi o principal destaque da mostra para a região.

Nova S10

A mais impressionante evolução da S10 dava as caras em fevereiro de 2012. Uma picape completamente nova do ponto de vista de aparência, estrutura e dirigibilidade.

Alinhada com a “irmã” Colorado norte-americana, a S10 nacional progrediu em tamanho, chegando a 5,35 metros de comprimento, tornando o habitáculo e a caçamba ainda mais espaçosos – o veículo tinha a maior capacidade de carga da categoria (1,3 tonelada)

No novo painel, sobressaia o quadro de instrumentos, inspirado no do Camaro, e o seletor giratório da tração 4×4 no console central. A lista de equipamentos disponíveis ficava mais completa com itens como o ar-condicionado digital e o controle eletrônico de estabilidade e tração.

Estreava junto o motor 2.8 Turbo Diesel CTDi com duplo comando de válvulas e turbocompressor de geometria variável. A transmissão também era nova, tanto a manual de cinco marchas como a automática, agora de seis velocidades.

No ano seguinte, o motor turbo diesel teve aumento de potência, de 180 cv para 200 cv, e de torque, de 47,8 kgfm para 51 kgfm. Já a cabine passou a contar com o multimídia MyLink com leitor de CD e DVD e um navegador GPS incorporado ao sistema.

O ano de 2014 marcou a S10 pelo lançamento do motor 2.5 Ecotec Flex, o mais potente e moderno da categoria. Trabalhava em conjunto com uma nova transmissão manual, de seis marchas. A picape também passou por evoluções dinâmicas. Teve a suspensão dianteira e traseira recalibradas com o intuito de deixar o conjunto mais rígido, e a direção, mais direta.

No ano em que completava 20 anos na liderança do segmento, a S10 inaugura um novo patamar de sofisticação com o lançamento da versão High Country, que além de mais equipamentos de luxo, trazia faróis em cromo escurecido com projetor, aplique no para-choque dianteiro, estribos laterais, rodas aro 18 com superfície usinada, frisos cromados na base dos vidros das portas além de um robusto santo Antonio, especialmente projetado para integrar à caçamba. A peça acompanha uma inédita capota marítima.

A picape adiciona ainda mais três versões de acabamento: Advantage, Freeride e Chassis Cab, pronta para customizações.

Conectividade total

A S10 ganha em 2016 mais uma importante atualização. As linhas mais refinadas da nova dianteira e das rodas são acompanhadas por uma série de novos equipamentos tecnológicos, como alerta de colisão e de saída involuntária de faixa, faróis com LED, acionamento do motor por controle remoto, OnStar e multimídia MyLink com Android Auto e Apple CarPlay.

O utilitário da Chevrolet ainda passou por um “regime” para ficar mais leve e econômica. Também evoluiu dinamicamente, principalmente em uso urbano, com a adoção da direção elétrica inteligente e da nova suspensão.

No ano seguinte a Chevrolet promoveu três novidades de impacto para a S10. Em abril chegava a tão esperada versão Flex com câmbio automático. Em agosto foi a vez da versão turbo diesel receber uma tecnologia inédita no segmento: o sistema CPA, que ajudou a deixar o veículo até 13% mais econômico. Já em novembro foi apresentada a série limitada 100 Years, comerorativa ao centenário da produção da primeira picape Chevrolet no mundo. Foram apenas 450 unidades produzidas, a maioria adquirida por entusiastas e colecionadores.

Em 2018 desembarcava no Brasil a “grife” Midnight, com carroceria e acabamentos todos escurecidos. A S10 fez a estreia da versão que depois viria a se estender a outros modelos da marca. A Chevrolet apresenta na sequência as demais configurações da linha 2019 da picape. Entre as inovações estavam o sistema de controle eletrônico de estabilidade e de tração também para as versões de entrada, enquanto a topo de linha ganha airbags laterais e de cortina em adição ao duplo frontal.

Fonte: Chevrolet

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Próximo Post

SUV do Corolla? Toyota lança Corolla Cross na Tailândia

O SUV, baseado na plataforma TNGA da Toyota, também será lançado em vários outros mercados até mesmo no Brasil A Toyota revelou o novo SUV Corolla Cross. SUV do Corolla? Sim! A estréia global do modelo foi realizada hoje – (09 Quinta-feira) na Tailândia. O Corolla Cross será lançado em um número crescente de outros mercados, daqui para frente, também no Brasil em 2021. Com “Corolla Meets SUV” sendo a frase-chave para o desenvolvimento do Corolla […]
%d blogueiros gostam disto: