TBT – Há 20 anos, Fiat Brava chegava ao mercado brasileiro

Inovador até na hora da compra, foi o primeiro Fiat brasileiro ser vendido na internet

O Brava, foi um notchback médio da Fiat, vendido nas décadas de 1990 e 2000, sendo que existiu um hatchback derivado dele, chamado Bravo, mas apenas o Brava foi vendido no Brasil. O Bravo era um modelo de três portas e o Brava de cinco portas, este vendido no Brasil entre 1999 e 2003. É interessante notar que os modelos três e cinco portas se diferenciavam bastante no perfil da carroceria e no desenho da traseira, com um desenho mais esportivo no modelo de três portas, característica não muito usual.

  Além do visual mais arredondado, exibia conjuntos óticos muito característicos do modelo, com faróis estreitos e lanternas traseiras divididas em três partes.

Por dentro, o Brava também surpreendia. Com bom aproveitamento do espaço interno, o modelo tinha painel bem desenhado, com comandos de som e climatização incorporados, o que melhorava a ergonomia, garantindo mais conforto e ajudando até no prazer ao dirigir.

Em relação aos equipamentos, o Brava era bem servido para a época. A versão de entrada SX trazia de série direção hidráulica, regulagem de altura do volante, ajuste elétrico dos faróis e limpador traseiro. A configuração de topo ELX ainda incluía ar-condicionado automático, vidros elétricos dianteiros, sistema de som com toca-fitas e imobilizador. Os principais opcionais eram os air bags frontais e laterais, faróis auxiliares, toca-CD, alarme e rodas de liga leve.

Inovação desde a compra

A inovação acompanhava o Brava já no momento da compra, pois foi o primeiro Fiat brasileiro a ser vendido na internet, passo importante para as relações com o cliente. O preço e custo beneficio também eram bons atrativos do modelo, que recebia o motor de 1,6 litro e 16 válvulas do Palio, que rendia 106 cv de potência e 15,1 kgfm de torque.

No ano seguinte, o hatch ganhava uma versão esportiva HGT, inaugurando essa sigla entre os Fiat no país. Um Brava mais “bravo”, com propulsor 1.8 de 132 cv e 16,7 kgfm. Outros diferenciais eram defletor traseiro, rodas de 15 polegadas e interior revestido de tecido especial. O Brava HGT ainda contava com suspensão recalibrada, mais firme, para melhor comportamento dinâmico.

Em 2001, era a vez de o Fiat Brava receber o motor 1.6 Corsa Lunga (“curso longo” em italiano), em referência ao curso maior dos pistões em relação ao motor anterior. O propulsor tinha mais 0,3 kgfm de torque e melhor distribuição da potência por todas as faixas de operação, mantendo os 106 cv. Com isso, ele pedia menos trocas de marcha e tornava mais agradável a dirigibilidade. Junto ao novo motor vinham rodas de aro 15” na versão ELX e opcionais como bancos de couro e teto solar na HGT.

O modelo foi comercializado em vários países ao redor do mundo. Até no Japão, onde foi rebatizado de Bravissima, porque já havia outro modelo com o nome Brava por lá. Totalizando 43 mil unidades, o Fiat Brava foi produzido no Polo Automotivo Fiat, em Betim (MG) até 2003. O Brava, na prática o hatch do Marea – um dos principais sedãs dos anos 2000 –, acabou abrindo caminho para o Stilo que, por sua vez, foi seguido do Bravo, que agora tem o espaço ocupado pelo Argo. 

( Via: Fiat Brasil )

Dieggo Lima

Sou o CEO/Fundador do site motorbsb.com - A motorbsb.com é um site brasiliense e oferece conteúdos de notícias sobre motos, carros e design automotivo. Sou um garoto que ama desenhar carros, e sou apaixonado por design, carros, cachorros & sertanejo.

Deixe seu comentário

Dieggo Lima

Sou o CEO/Fundador do site motorbsb.com - A motorbsb.com é um site brasiliense e oferece conteúdos de notícias sobre motos, carros e design automotivo. Sou um garoto que ama desenhar carros, e sou apaixonado por design, carros, cachorros & sertanejo.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Next Post

Jozef Kaban deixa a Direção de Design da Rolls-Royce

sex out 4 , 2019
Jozef Kabaň assumiu o design da marca britânica em Abril deste ano depois de apenas seis meses, o designer eslovaco decidiu seguir para outros projetos. Jozef Kabaň decidiu deixar a direção do design da Rolls-Royce com efeito imediato para buscar outros interesses. “Embora Jozef esteja na Rolls-Royce há um período muito curto, agradecemos a ele […]

Traduzir

Facebook

Twitter

Siga-nos

%d blogueiros gostam disto: