Um Carro de alta velocidade com motor Wankel – Mercedes-Benz C 111

Dieggo Lima

No Salão do Automóvel de Frankfurt, de 1969, a Mercedes-Benz apresentou um carro fora do comum: o C 111.mb.png

O mundo fez fila para ver este “laboratório de teste sobre rodas” com seu corpo em forma de cunha.

E as portas “Asa de gaivota”; A cor, um laranja metálico, originalmente designado “vinho rosé”, também ajudou a chamar atenção.

mb-02.png

Menos visíveis, mas não menos incomuns, foram as inovações técnicas. O corpo consistia em plástico reforçado com fibra de vidro e era rebitado e unido à unidade de piso de aço.

O C 111 serviu para testar o motor Wankel.
Uma unidade de três rotores desenvolvendo 206 kW (280 cv) forneceu a potência de propulsão e permitiu uma velocidade máxima de 260 km/h – bastante notável para a época.

Apenas alguns meses depois, uma versão completamente revista do C 111 foi mostrada no Salão Automóvel de Genebra. Apresentava um motor Wankel de quatro rotores com uma potência de 257 kW (350 cv).O carro acelerou de 0 a 100 km / h em 4,8 segundos e atingiu uma velocidade máxima de 300 km / h.

bm-03.png

Pouco mais se ouviu sobre o motor Wankel; A tecnologia diesel tornou-se agora o foco da pesquisa. E as versões recordistas do C 111 novamente capturaram o interesse público: em junho de 1976, abril de 1978 e maio de 1979, o C 111 completou o teste de alta velocidade em Nardo, no sul da Itália, que produziu vários recordes mundiais absolutos sobre vários distâncias.

Na primeira corrida de recorde, o C 111-II D, quase inalterado do lado de fora em comparação com 1970, foi impulsionado por um motor a diesel de cinco cilindros completamente revisado, com 3,0 litros; em vez dos 59 kW (80 hp) do carro de produção, ele agora desenvolveu 140 kW (190 hp). Em 1978, o C 111-III desenvolveu e produziu 169 kW (230 cv) com um intercooler adicional. Mas este carro recorde agora tinha pouco em comum com o C 111 original. O corpo prateado montado em uma unidade de piso com dimensões modificadas era ainda mais simplificado.

bm-05.png

O recorde do C 111-IV de 1979 veio com mais refinamentos aerodinâmicos, além de spoilers distintos, uma dianteira alterada e duas aletas de cauda.Sua unidade de propulsão era um motor V8 de 4,5 litros de produção regular, ampliado para deslocar 4,8 litros e gerar 367 kW (500 hp). Nesta versão, o C 111-IV não era mais um veículo de pesquisa puro, mas um que atingiu um desempenho esportivo de primeira classe.”Um Mercedes-Benz deve sempre parecer um Mercedes-Benz”; frase do Bruno Sacco; “Uma lenda do design”.

mb-06.png

Bruno Sacco escreveu a história do automóvel. Muitos modelos foram lançados durante sua época, que agora caracterizam a marca Mercedes-Benz .

Fonte: Daimler

 

Dieggo Lima

Sou o CEO/Fundador do site motorbsb.com - A motorbsb.com é um site de design automotivo brasiliense. Atualmente o site abrange outros conteúdos sobre automóveis. Sou um garoto que ama desenhar carros, e sou apaixonado por design, carros, cachorros & sertanejo.

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Próximo post

Adrian van Hooydonk diz, que ao projetar o novo BMW Série 3 2019 é como pilotar um carro de corrida

O holandês Adrian van Hooydonk, Chefe de Design do Grupo BMW, conversou com o pessoal do site brasileiro motor1.uol.com.br  O designer automotivo de 54 anos chefia o departamento de estilo das marcas BMW, BMW Motorrad, Mini e Rolls-Royce. Ele comanda uma equipe de nada menos que 700 designers ao redor do mundo, tendo como trabalho principal definir os rumos de estilo dos próximos modelos da empresa. Entre eles, o BMW Série 3 é com certeza […]
%d blogueiros gostam disto: